expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Pura natureza brasileira

Basta ligar a tv, o radio ou acessar a internet para vermos o pior do nosso país. Vendemos a imagem de que somos um país violento, altamente criminoso e cheio de problemas sociais graves. É verdade que temos problemas como qualquer outro país do mundo, e que esses precisam serem resolvidos. Mas precisamos mostrar também, e muito, o que temos de belo e positivo. E não se admirem, temos muito progresso na área social e econômica, temos uma natureza deslumbrante e um povo hospitaleiro e feliz como não é encontrado em parte nenhuma do globo. O Wild Life, com Daniel e Evandro, é apenas um grão de areia nessa duna enorme que é o campo dos documentários de vida selvagem brasileira. Mas é com enorme prazer que levamos até vocês nossas paisagens, animais e plantas. Como há trabalho a ser feito! 


                                                       Rio Cipó, Minas Gerais            Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Temos tanto para mostrar, estudar, fotografar, tudo para levar a quem se interessar, em todo o mundo, por nossa beleza magnífica, tanto de lugares como de plantas e animais interessantíssimos.
Acreditamos que o conhecimento gerará preservação desse mundo ainda desconhecido que é o nosso país.

                                                       Lagoa Dourada, Minas Gerais       Foto: Evandro Carlos Ferreira dos Santos

Preservar é um ato de todos. Não se pode esperar que os governos Federal, Estadual e Municipal façam o milagre de criar mecanismos que possibilitem a preservação da natureza como um todo, quando está ao nosso alcance contribuir significativamente para tanto.

                                                      Entrada da Gruta de Santa Maria, Minas Gerais      Foto: Daniel Carvalho Gonçalves

Ao visitar parques, cachoeiras, grutas e florestas, não deixe lixo jogado no local. Sacolas plásticas e garrafas pet são um perigo em potencial para animais e descaracterizam a beleza natural. Não deprede a natureza, retirando ou modificando sua naturalidade. Isso é simples e qualquer um pode fazer, sem nenhum gasto ou sacrifício.

                                                       Caracará ou Carcará        Foto: Evandro Carlos Ferreira dos Santos

Esperamos que possamos contribuir um pouco para a conscientização de preservação com nossos artigos e documentários. Que nosso país seja visto também, e principalmente pelo que temos de melhor.
Um grande abraço!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Sofreu

Nome científico: Icterus jamaicaii.



                                                       Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Sinônimos: Corrupião, Concriz, João-Pinto e Sofrê.

Ocorrência: Brasil, nos estados do sudeste e nordeste.


                                                       Foto: Evandro Carlos Ferreira dos Santos

Hábitat: Gosta de lugares abertos como a caatinga, o cerrado e as várzeas.

Hábitos sociais: Vivem aos casais, muito raramente em bandos.

Características: É um pássaro facilmente reconhecível por sua plumagem bicolor, laranja ou amerelo com preto. Tem cerca de 25 cm de comprimento e mais ou menos 45 de envergadura. Tanto o macho como a fêmea são coloridos, sendo que os machos são de um colorido um pouco mais vibrante.
Tem um canto muito melodioso, fato que o torna vulnerável ao homem, que o torna prisioneiro de suas gaiolas. Também é um excelente imitador de outros pássaros.

                                                       Foto: Evandro Carlos Ferreira dos Santos


Hábitos alimentares: Se alimenta de frutas, sementes, insetos, aranhas e ovos de outras aves.

Reprodução: Atinge a maturidade sexual dos 18 aos 24 meses. Embora alguns façam ninhos, na maioria dos casos, se aproveitam de ninhos de outras aves como o Bem-te-vi, o João-de-barro e o Xexéu, muitas vezes expulsando-os de seus próprios ninhos. Chegou a ser considerado uma praga em algumas regiões pelo fato de impedirem que outros pássaros se reproduzissem, pelo simples fato de se alimentarem dos seus ovos. Mas não é um parasita como o Melro, pois, cuida bem de seus filhotes.Põem de dois a três ovos, que levam 14 dias para eclodir. 

Status ecológico: Sem risco de extinção.

Observação: Nós somos contra o aprisionamento de pássaros em gaiolas. Todas as aves fotografadas estão em plena liberdade na natureza.

Um grande abraço!

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Jiboia

Nome científico: Boa constritor.

Ocorrência: Em quase todos os países de clima quente ou temperado.


                                                       Foto: Daniel Carvalho Gonçalves

Ambiente: Gosta de ambientes quentes, úmidos e bem sombreados, como beira de córregos, lagoas, rios, charqueados, etc.

Características: É uma serpente de coloração cinza com manchas pretas, marrons ou amareladas, dependendo da espécie e do local. Algumas espécies como a Boa constritor constritor podem chegar aos 4 metros de comprimento. É uma espécie dócil, embora quem pouco conheça diga erroneamente que é agressiva. Não é venenosa, matando suas presas por constrição. Como todos os répteis, se confunde muito bem com o ambiente, conforme visto nas fotos do artigo.

                                                       Foto: Evandro Carlos Ferreira dos Santos


Reprodução: São ovovivíparas, ou seja, ela põe seus ovos com os filhotes já bem desenvolvidos.
O embrião recebe nutrientes necessários, em boa parte, direto do sangue da mãe. Sua gestação até o ponto de eclosão dos ovos dura cerca de 180 dias, saindo entre 12 a 64 filhotes por ninhada. Os filhotes nascem com cerca de 45 cm de comprimento e já nascem autônomos, não dependendo dos cuidados da mãe.


                                                       Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Alimentação: Se alimenta de pequenos roedores e pássaros.

Predadores: Aves de rapina como o gavião, mas apenas quando filhotes, ainda em desenvolvimento.

Status ecológico: Ainda sem risco de extinção.

Importante: O homem é o maior risco para esses animais, visto que, por medo e desconhecimento, ainda mata, sem nenhuma piedade esses animais tão belos e tão úteis para o meio ambiente.

Observação: Nenhum desses animais fotografados sofreu maus tratos, estanto em plena liberdade em seu hábitat.



terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Aranha armadeira

Nome científico: Como são várias espécies de aranha chamadas armadeiras vale aqui citar apenas o gênero, Phoneutria.



Sinônimos: Aranha-macaco e Aranha de bananeira.

Ocorrência: Em toda a América Latina.

Ambiente: Gosta de ambientes pouco iluminados e bem protegidos, perto ou dentro de casas, como entulhos, plantações de bananeiras e até dentro de sapatos.

Características: São aranhas em tom marrom claro, quase cinza, com pintas ou riscos cinzas no abdôme. Fácil reconhecê-las pela sua agressividade. Quando se sentem ameaçadas se defendem armando o bote, daí o seu nome Armadeira.



Ação do veneno: A ação é neurotóxica, provocando intensa dor local, vermelhidão, dormência irradiada, em alguns casos, e muito raramente, apenas em 2% dos casos, podem causar choque em crianças e idosos, sendo necessária a aplicação do antiveneno.

Predadores: Algumas aves e lagartos.

Status ecológico: Sem risco de extinção.

Não tenha medo da natureza, apenas respeite os limites impostos por ela.
Um grande abraço!

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Gavião-carrapateiro

Nome científico: Milvago chimachima.

Ocorrência: Ocorre no Uruguai, Argentina e em todo o Brasil.




Sinônimos: Caracará-branco, Caracaraí, Carapinhé, Gavião-pinhé, Pinhém, Chimango do campo.

Características: É uma ave de 40 cm de comprimento, com envergadura de 65 cm, cabeça e corpo num marrom bem claro, parte posterior da asa de cor preta, possui uma máscara que se prolonga para trás dos olhos, dando mais profundidade ao seu olhar, tem um grito semelhante ao do Gavião-carijó, daí um dos seus nomes, Pinhém.

Hábitos alimentares: Se alimenta de carrapatos, bernes, lagartas, cupins, pequenos roedores e filhotes de outras aves.

Hábitos sociais: Vive aos casais.




Reprodução: Põe entre 5 a 7 ovos. A incubação dura entre 4 a 8 semanas. Macho e fêmea se revesam nos cuidados com os ovos e filhotes.

Predadores: O homem, uma vez que eles se aproximam de ninhadas de pintinhos nas fazendas e sítios.

Status ecológico: Sem risco de extinção.

É uma belíssima ave, majestosa e encantadora. Cumpre um papel muito importante na natureza, que é a eliminação de bernes e carrapatos, diminuindo assim a infestação dessas pragas.
Um grande abraço!

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Araticum-de-raposa

Araticum-de-raposa

Nome científico: Anona cornifolia.

Sinônimos populares: Ata-de-cobra e atinha-do-campo.





Ocorrência: Ocorre no cerrado e nas orlas de matas de transição, no Brasil.

Ambiente: Gosta de ambientes quentes e com alguma umidade noturna.

Características: É um arbusto que pode chegar a 1 metro de altura no cerrado e a 1,80 metro nas matas. Poucos galhos e folhas num tom verde fosco.




Floração e frutificação: Floresce nos meses de novembro e dezembro e frutifica em janeiro e fevereiro. Frutos de mais ou menos 10 cm que ficam muito ornamentais devido a sua coloração alaranjada.
Tem sabor suave, com pouco açúcar.

Esse é um patrimônio do nosso cerrado que está sendo dizimado pouco a pouco devido ao desmatamento para produção de carvão vegetal ou para a construção de pastos.
Parece uma coisa de menor importância, mas, como na natureza tudo se complementa, tudo o que destruímos dela certamente fará falta em algum momento no futuro. 
Um grande abraço!

terça-feira, 20 de novembro de 2012

A Lagoa do Dodó

A Lagoa do Dodó se localiza a 6 ou 7 km da cidade de Paraopeba, Minas Gerais.
Na verdade, é uma espécie de açude, pois, era um local no qual se retirava terra para fabricação de tijolos e telhas.
Fica a menos de 100 metros do Ribeirão do Cedro, o que facilitou a prapagação de vida subaquática como piabas, traíras, bagres e larvas de muitas espécies de insetos.



Além de ser um local paradisíaco, abriga, ainda, uma infinidade de vida selvagem, entre pássaros, anuros e mamíferos que a usam como bebedouro.




Este ninho de rolinhas, com filhotes ainda sem penas, com a lagoa de fundo, é um exemplo de como a vida se multiplica e embeleza nossa natureza.
Embora formada pela ação do homem, é um berçário de vida selvagem e deve ser preservada, afinal, quem não quer ter o privilégio de ter essa mesma vista no futuro?






A vida, não importa o tamanho, toda a vida selvagem tem seu papel na natureza e deve ser respeitada.
A natureza se complementa, se ajuda, se reconstrói, basta que o homem conviva em harmonia com ela ou interfira o mínimo possível. Fica aqui mais um pedido: VAMOS PRESERVAR O QUE É DE TODOS!
ABRAÇO!


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Juriti

É uma ave da família das plumbáceas, muito comum e charmosa.



Nome científico: Leptotila verreauxi.

Ocorrência: Ocorre praticamente em todo o teritório nacional, menos na amazônia, Argentina e Estados Unidos Da américa.

Hábitat: Gosta de capoeiras, campos, bordas de florestas e cerrados. Lugares com temperaturas mais quentes.

Características: Corpo cinza pardacento, cabeça cinza claro, frente do corpo mais clara.




Tamanho: Mede cerca de 27 centímetros de comprimento e entre 45 e 50 centímetros de uma ponta da asa a outra.

Hábitos sociais: Vivem solitárias ou aos pares e passam a maior parte do tempo no chão.

Alimentação: Se alimentam de sementes e frutos caídos no chão.

Postura: 2 ou 3 ovos.

Incubação: Cerca de 14 dias.

Principais predadores: Aves de rapina e o homem, que infelizmente ainda caça animais silvestres.

Status ecológico: Ainda sem risco de extinção.

São animais dóceis que precisam ser preservados, uma vez que têm um papel importante na natureza.
Por isso, meus amados, vamos preservar!
Abraço!




quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Periquitão-maracanã



Nome científico: Aratinga leucophthalma.

Ocorrência: Ocorre em todo o território nacional e em quase toda a américa.

Hábitos sociais: Vivem em bandos de até 150 animais, o que propicia maior proteção contra predadores.

Sinônimos: Maritaca ou Maitaca.

Características: É uma ave com penas verdes em sua maioria, com algumas vermelhas na cabeça e nas asas.

Tamanho: Pode chegar aos 30 centímetros de comprimento e a 55 centímetros de uma ponta da asa a outra.

Hábitos alimentares: Se alimenta de frutas e sementes, basicamente.

Predadores: Pequenos felinos, gaviões e micos que comem seus filhotes e ovos.


Ninhos: Controem seus ninhos no alto de pés de coco ou em cupins nas árvores.

Postura: Põem cerca de 5 ou 6 ovos que levam mais ou menos 30 dias para eclodirem.

Risco de extinção: Nenhum.

Fica, então, a responsabilidade de não deixar cair em extinção. Agora é a hora de manter esses animais a salvo  e soltos na natureza.

Um grande abraço!




sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Coruja-buraqueira

Nome científico: Athene cunicularia.

Origem: Toda a américa latina , até no Canadá.

                                                       Foto by: Daniel Carvalho Gonçalves

Tamanho: Tem, normalmente, 27 centímetros de comprimento e envergadura entre 53 e 65 centímetros.

Hábitos alimentares: Se alimenta de pequenos roedores, lagartos e insetos.

Ninhos: Gosta de fazer o ninho em buracos, em barrancos ou cupinzeiros, aproveitando tocas desocupadas de outros animais.

Postura: De seis a doze ovos., de novembro a fevereiro.

Incubação: De 28 a 30 dias.

Predadores: Principalmente texugos e serpentes.

São aves que defendem muito bem seus filhotes, se tornando agressivos com quem se aproxima de seus ninhos.
São muito belas e úteis ao meio ambiente.
Não correm risco de extinção.
Mas vale lembrar que preocupação em preservar nunca é demais.
Um grande abraço!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

A Lagoa Preta IV

Conhecer a natureza é mais do que frequentar lugares bonitos e fotografá-los. É pesquisar o relacionamento de animais e plantas em seus hábitats. É criar mecanismos para conscientização de todas as pessoas para o tema PRESERVAÇÃO. O Wild Life, com Evandro e Daniel, tem esse objetivo: levar o conhecimento para todos e conscientizá-los sobre o que é preservação.

                                                                        Evandro, ao chegar na Lagoa Preta

Na foto acoma, podemos ver algo que vimos com frequência nos lugares que visitamos: lixo jogado nas margens da lagoa. São restos de embalagens plásticas, garrafas pet, coisas que podem parecer insignificantes, mas que agridem o meio ambiente, agridem a fauna e a flora. Quando vamos tomar a sério a proposta de preservação? O mínimo que se faz, pode ter certeza, contribui muito!

Bem, vejamos um pouco mais dessa maravilha:


                                                                                                         Bromélia



                                                                                        Buritizeiro frutificando


                                                                                                         Beija-flor


A lagoa possui um biodiversidade quase intacta, se não fossem algumas pessoas que não têm consciência ecológica que a frequentam. Plantas e animais interagem em harmonia, harmonia essa, transmitida por esse belo nascer-do-sol. Se queremos essa mesma visão para o futuro, se queremos dar uma chance para nós mesmos e para a natureza, basta preservar. Não é preciso ser um grande ambientalista, basta fazer o mínimo, não jogar lixo na natureza, não matar nem aprisionar animais, não maltratar as plantar, não danificar. É muito simples e fácil. Vamos contribuir, gente, com o MÍNIMO.
Abraço!

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A Lagoa Preta III

Vamos continuar nos maravilhando com essa lagoa, incrustada no centro de nossa bela Minas Gerais.
Achamos melhor não falar muito e mostrar mais. Vejamos:


Esse lagarto é conhecido pelos moradores da zona rural como "bicho-preguiça" porque ele não corre com a aproximação do ser humano,anda muito lentamente, aliás, ele quase não se movimenta. Seu ponto forte é se misturar muito bem ao meio em que vive.




Olha, nessa foto acima, como ele se confunde com galhos secos que estão ao seu redor. Além do mais, ele praticamente não se movimenta, o que não chama a atenção de predadores. É um sobrevivente.








Ah, o nascer do sol! Que espetáculo!







Ainda falta muito para se ver e encantar, mas vamos deixar para um próximo artigo.
Apenas queremos deixar aqui uma mensagem importante:
PRESERVE, ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS!
Abraço!


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A Lagoa Preta II

Conhecer profundamente a natureza, conhecer lugares, animais e plantas, criar formas de explorar a natureza para fins turísticos e medianizar a preservação do meio ambiente como um todo: eis o objetivo do Wild Life.
Mesmo um ambiente preservado como essa lagoa sofre com o desmazelo de turistas ocasionais e pescadores, que deixam em suas margens sacolas plásticas, garrafas pet e uma infinidade de sugeira que, aos poucos influem negativamente na fauna e flora locais. Tanta beleza, se queremos que as gerações futuras conheçam, tem que ser conhecida, divulgada e PRESERVADA.




Essas árvores na foto, estão na parte pantanosa da lagoa e abrigam, entre tantas espécies vegetais, orquídeas como a Schomburgkia crispa e a Cattleya bicolor, e algumas espécies de bromélias.



Aqui, Evandro, na popa de um barco, se preparando para registrar as belezas da lagoa.





Um local como esse poderia, facilmente, ser aproveitado para o turismo rural, com passeios em trilhas, trekking, educação ecológica e ser aproveitado para excursões de estudantes.
Como preservaremos se não conhecermos?
Estar à frente disso é um prazer.
Levar o conhecimento até aqueles que querem e criar uma consciência de luta pelo meio-ambiente é a meta do Wild Life. Vamos juntos conhecer lugares, paisagens, plantas e animais!
Um grande abraço!

terça-feira, 2 de outubro de 2012

A Lagoa Preta

A Lagoa Preta localiza-se a 22 km da cidade de Papagaios, Minas Gerais.
Ja foi uma lagoa maior e teve seu território invadido por capim navalha de até 3 metros de altura.





Possui uma biodiversidade ineressante, sendo um ambiente adequado para répteis como cobras e jacarés, lagartos, insetos, macacos, bromélias e orquídeas. Além, claro, de uma boa variedade de peixes como traíras, piranhas, piabas, etc. A natureza é, sem dúvida, exuberante.





Esse nosso Brasil é lindo demais para não ser divulgado. Temos muito mais do que alta criminalidade e corrupção para ser vendido para o mundo. Será possível que nosso povo não vê toda essa beleza?
Veja na foto acima, um exemplo disso. A Lagoa Preta é maravilhosa, tanto como local para visitação, como em fauna e flora diversas. É essa maravilha que lhes apresento nos próximos artigos.
Um grande abraço!



quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A Lagoa Dourada II

Lagoas sempre surpreendem e dão ótimas fotos. A Lagoa Dourada não é exceção. Além de ser um lugar deslumbrante, possui uma rica fauna e uma encantadora flora.
É um lugar que todos os que gostam de natureza preservada deveriam ir para conhecer.


Essa foto tirada bem de longe nos dá uma noção de como o capim navalha tomou conta de boa parte de sua margem, chegando a alcançar até 3 metros de altura e 80 metros para dentro da lagoa.
Entre esse capim se esconde o perigo da lagoa: jacarés e cobras, entre elas, a sagaz sucuri que, na região, pode chegar aos cinco metros.
Bem, aguardem nos próximos artigos, novidades da vida selvagem e conheçam lugares espetaculares.
Um grande abraço!

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

A Lagoa Dourada

A Lagoa Dourada localiza-se a uns 35 km da cidade de Paraopeba, Minas Gerais.
Possui extensão média e está em boas condições de preservação, até mesmo porque grande parte de sua margem está tomada por capim navalha de grande porte, impossibilitando, assim, o acesso à ela.


Suas águas são límpidas, conforme se pode ver na foto acima. É repleta de vida, principalmente peixes, entre eles, traíras, dourados, curimatás, etc. Tem também répteis como jacarés e sucuris de médio porte.
Veja nas fotos a seguir um pouco do que a natureza nos presenteou:



Esse bosque de pinheiros nos faz sentir pequenos diante da natureza.



Para conseguir fotografar esse pôr-do-sol tivemos que subir em uma árvore para visualizar a lagoa. Veja mais:



É incrível o que um arrebol mexe com nossas emoções.
É isso que precisa ser preservado. Não são meras palavras que vão mudar isso. É a necessidade de ter o privilégio de vislumbrar isso no futuro. Todos nós merecemos. Todos nós temos a responsabilidade, não importa quem sejamos ou o que façamos, temos o dever de contribuir para a existência do amanhã, da natureza pura, preservada para nós mesmos e para aqueles que virão.
Um grande abraço!



sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Frutas do cerrado III

A variedade e riqueza encontrada no bioma cerrado ainda é desconhecida da maioria das pessoas, até mesmo daquelas que vivem bem próximo dele. As frutas são uma pequena amostra do quanto existe para ser descoberto, desvendado , estudado e, principalmente PRESERVADO.

                                                                                            Goiabinha do mato

A goiabinha do mato tem um sabor delicioso, um pouco mais ácido do que a goiaba normal, possuindo maior teor de vitamina C. É um arbusto de mais ou menos 70 cm de altura, com folhas verde claro, aveludado. Serve de alimento para pássaros e insetos.

                                                                                                          Ananás

O ananás é uma bromeliácea, parente próximo do abacaxi, porém, de tamanho reduzido. Gosta do bioma médio cerrado e lugares secos, só recebendo água da chuva e do orvalho noturno. Seu fruto é  mais azedo do que o do abacaxi, mas com sabor bem parecido. Dá um ótimo suco.

Quanto mais andamos pelo cerrado, mais nos admiramos da vida contida ali, mais nos certificamos da urgência de preservar, de cuidar para que a vida continue seu ciclo maravilhoso sem a interrupção humana.
Um grande abraço!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Frutas do cerrado II

Conhecer o cerrado, inclui a delícia de conhecer sua frutas saborosas e lindas de se ver.

                                                                                      Marmelo de cachorro

Esta fruta, quando madura, perde um pouco do charme, pois, fica preta e um pouco mole, mas tem um sabor interessante, não muito doce. É um alimento extraordinário para pássaros, micos e até do famnoso lobo guará.


                                                                                                      Sucupira

O fruto da árvore Sucupira, tem uma estética triangular, parecendo uma noz, porém não é comestível, sendo suas sementes usadas, de acordo com a medicina popular para fins terapêuticos. Aqui está uma espécie ameaçada de extinção, visto sua madeira ser muito resistente e usada para fabricação de móveis.
Esta cápsula de sementes contém, se devidamente colhida e plantada, a salvação dessa vistosa espécie, cabendo, não só às autoridades, mas a cada um de nós o dever de preservar e disseminar a idéia de replantio. Fica aqui um alerta! Um grande abraço!


sábado, 25 de agosto de 2012

Frutas do cerrado

O cerrado não apenas fornece cenários encantadores, flores maravilhosas e plantas magníficas, mas, também, uma infinidade de frutas, muitas delas de sabor inigualável.
Nessa série de artigos, conheceremos algumas delas. Delicie-se:

                                                                                            Araticum anão

Essa espécie de araticum, além de ter uma estética privilegiada, é muito saborosa, principalmente para quem não gosta de frutas muito doces.


                                      Flor da Jurubebinha do mato sendo polinizada por abelha do gênero Mamangaba


                                                                                                     Araticum

Talvez uma das frutas mais conhecidas e apreciadas do cerrado, o Araticum é uma fruta deliciosa, inclusive usada em doces de sabor incomum.
Protegida por lei, ainda é predada por pessoas sem índole que pensam que o dinheiro vale mais do que sua preservação.
Continuaremos mostrando um pouco do nosso variado cardápio de frutas nos próximos artigos. Não deixe de acompanhar. Um grande abraço!